>

domingo, 18 de março de 2012

Ligar pra tantos ramais, ninguém pra falar sobre o vermelho que abre este dia.

Bom,
Desde que o ano mudou, eu também mudei. Escolhi o primeiro dia do mês que tem carnaval para sair da barra da saia da minha mãe e tentar as coisas nessa cidade. Chorei como eu nunca chorei essa vida. Pelas mudanças, pelas coisas que deram erradas, pela morte do meu pai.


Tenho uma casinha, louças pra lavar, roupas para administrar. Tenho um trabalho bem trabalhoso e cansaço todas as noites. Não tenho mais ninguém pra ninar e me ninar também e isso as vezes me deixa bem mais cansada. E essa cidade tem uma capacidade incrível de engolir você com essa solidão que só ela sabe mostrar. E sabe lá se na hora H de escrever a música o Criolo não trocou as siglas.


Conheci pessoas, não consegui o que mais queria (que era o mestrado), encontrei alguns lugares legais. Sigo aí tentando entender o fluxo das pessoas, dos quereres. Achei Brasília cara. Muito cara. Emocionalmente, então.

Mesmo com tudo isso, Brasília é bonitinha. As vezes dá uma coisa boa em vê-la num dia ensolarado, cheia do seu verde que me deixa bem.

Comprei uma mesa e não jogo mais as coisas no chão. E falta tanta coisa. Cada uma delas vai tomando seu lugar, numa montagem, construindo algo que não sei bem o que é. Só que eu to vivendo, eu to tentando...

Mas sabe aquela vontade de voar q eu tinha? Tá aí voando.

3 comentários:

oseguinte disse...

pelo menos a gente se fala quase todo dia ,)

drica montenegro disse...

que bonito, esse post!
essas mudanças, mesmo se nos angustiam às vezes, são grandes baús cheios de tesouros e descobertas... "as viagens são parteiras do pensamento".
aproveite! beijos.

drica montenegro disse...

escrevi isso porque me identifiquei um pouco com tudo isso. há 5 anos deixei meu chão bom, em fortaleza, e vim para são paulo, outra cidade louca, tal qual brasília. difícil, sim, com certeza. mas, muitos aprendizados felizes. e mil pessoas lindas, pelo caminho. é o que faz valer a pena. beijos de novo.